quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Sem regras e sem limites


“Por que tem pessoas que vivem sem controle e sem limites?”

Esta foi uma pergunta feita por um dos meus pacientes em uma sessão de psicoterapia.

Primeiro expliquei que a nossa personalidade é formada pelo ID, EGO e SUPEREGO. O ID é um conjunto de energias psíquicas que determina os desejos do sujeito. O EGO é a estrutura a onde está todo o conhecimento que o indivíduo possui de si sobre o meio. O SUPEREGO é a estrutura que se desenvolve a partir do conhecimento moral e valores do indivíduo. Representa a moral dentro do indivíduo. Ao nascer, o bebê possui apenas o Id. Nas primeiras experiências, ele vai aprendendo e adquirindo conhecimento do mundo começando assim a estruturar seu ego. Enquanto o Id é uma estrutura inata, o ego e o superego são estruturas adquiridas, é a onde entra as regras e os limites (certo e o errado) que serão impostas para esse indivíduo no meio em que vive, começando em primeiro lugar dentro da sua própria casa, depois nas escolas e sociedade.
O indivíduo que não aprendeu a viver regras ele automaticamente passa a ser um indivíduo sem limites e não pensa nas consequências que serão causadas por essa ação do impulso. Age sem pensar não tem controle sobre si mesmo. Esses indivíduos geralmente tendem a não ter auto-afirmação, necessita sempre de algo para se auto-afirmarem, algo a que se apoiar: cigarro, bebida, drogas em geral ou até mesmo estar sempre em vantagem mesmo que tenha que prejudicar alguém para se sentirem em evidência. Na novela “Caminho das Índias”, tem um caso assim em que o personagem Zeca vive aprontando com todo mundo e ainda tem o apoio dos pais, que acaba saindo ileso das suas atitudes erradas. É evidente que ele não teve regras e limites na sua infância e isso não acontece só na ficção.
Quando o indivíduo passa a ter consciência e começa a sentir-se prejudicado, acaba assumindo que ele mesmo é o problema, que em outras palavras é o mesmo que “tudo que faço é um mal para mim e para os outros”. Ele mesmo passa a procurar meios para se controlar e ter uma vida mais regrada.

Esses indivíduos não conseguem se relacionar seriamente, por se sentirem incapaz e passam a ter relacionamentos sem controles para se auto-afirmarem. Na verdade esse comportamento é para suprir a falta que ele tem dele mesmo é uma pessoa não realizada em todos os sentidos.
Nunca é tarde para adquirir regras colocar limites, veja bem, limites não é o mesmo que se reprimir, mas saber até a onde pode ir para não se prejudicar e prejudicar as outras pessoas. Ter problemas é a conseqüência natural da vida, mas ser o problema já complica, não esqueça que você terá que conviver com você até o fim da sua vida, pense antes de fazer algo, elabore, repito tenha o controle da sua própria vida.
Comece a passar para você mesmo o quanto você vale apena e uma imagem confiável e seja feliz.

3 comentários:

  1. Olá Katia, gostei muito do tema abordado. A ausência de LIMITES, está dificultando todos os relacionamentos interpessoais..os jovens estão perdidos... os pais estão perdidos..e a sociedade se perde, também.
    Sou Psicóloga, em Jaú , interior de SP.
    Estou seguindo seu blog . Agora, te convido a visitar e seguir o meu (será muito bem vinda e podemos trocar informações): www.adrianaroveronipsicologiajau.blogspot.com
    bjos

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde doutora. Este artigo me abriu muito a mente. Eu tenho uma personalidade hipercompulsiva, tudo que eu gosto eu me afundo de cabeça, isso já me deixou totalmente arruinado fisica, mental e financeiramente. Muito obrigado por seu artigo. Vai me ajudar muito daqui em diante.

    ResponderExcluir
  3. Sou um desses, preciso de ajuda urgente, me ajudem, não sei mais o que fazer!!!! Me dêem uma orientação

    ResponderExcluir